Mucamas
Organize uma exibição

Ainda não entendeu como funciona uma exibição no Videocamp? Clique aqui!

Nós, Madalenas Apresenta:

Mucamas

Livre 2015 16min

Pt

Es

O download deste filme não está disponível para exibições via Videocamp – apenas o streaming. Organize sua exibição clicando aqui.

O documentário conta a história da vida de mulheres que são ou já foram empregadas domésticas, escancarando suas lutas e desigualdades. Ao centro, o enraizado pensamento da casa-grande sob a Senzala e o discurso do 'trabalho e desenvolvimento' que garante a manutenção da lógica serviçal, de herança claramente escravocrata: preconceitos, classismos, distâncias, muros, pontes, remuneração, relações de poder, patroas, empregadas. Narrada pelas trabalhadoras, a direção do filme é das próprias filhas, e por isso propõe também uma importante reflexão sobre representatividade e a construção de narrativas populares. Pela soberania audiovisual em todas as periferias! Pela democratização dos meios de comunicação.

Dirigido por

Coletivo Nós, Madalenas

Produção

Coletivo Nós, Madalenas

Coprodução

Coletivo Nós, Madalenas

Patrocinador

--

Apoio

--

Categoria

Documentário

3,3 Avaliação
24 Exibições
914 audiência
914 aud.total
  • Online (YouTube, Vimeo, etc)
  • Exibições Públicas via VIDEOCAMP
  • Cinema
  • Sob Demanda (iTunes, Now, etc)
  • Outras mídias (DVD, Blu-ray, mídia kit, etc)

Comentários

Ficha completa

Mucamas (2015)

Descritores de Conteúdo:

O download deste filme não está disponível para exibições via Videocamp – apenas o streaming. Organize sua exibição clicando aqui.

Dirigido por Coletivo Nós, Madalenas

Produção Coletivo Nós, Madalenas

Coprodução Coletivo Nós, Madalenas

Patrocinador --

Apoio --

Categoria Documentário

Tema Questões de gênero Questões raciais

ODSs --

Áudio e Legenda

Áudio Portuguese

Legenda Spanish

Closed Caption --

Audiodescrição --

Linguagem de Sinais --

Sinopse

O documentário conta a história da vida de mulheres que são ou já foram empregadas domésticas, escancarando suas lutas e desigualdades. Ao centro, o enraizado pensamento da casa-grande sob a Senzala e o discurso do 'trabalho e desenvolvimento' que garante a manutenção da lógica serviçal, de herança claramente escravocrata: preconceitos, classismos, distâncias, muros, pontes, remuneração, relações de poder, patroas, empregadas. Narrada pelas trabalhadoras, a direção do filme é das próprias filhas, e por isso propõe também uma importante reflexão sobre representatividade e a construção de narrativas populares. Pela soberania audiovisual em todas as periferias! Pela democratização dos meios de comunicação.