Menino 23 - Infâncias Perdidas no Brasil
Quero assistir agora Quero organizar uma sessão

Ainda não entendeu como funciona uma sessão no Videocamp? Clique aqui!

Giros Projetos Audiovisuais Ltda. Apresenta:

Menino 23 - Infâncias Perdidas no Brasil

10 anos 2016 79min

pt-br

en

É possível baixar o arquivo deste filme para sessões Videocamp. Organize sua sessão clicando aqui.

Ver trailer
A partir da descoberta de tijolos marcados com suásticas nazistas em uma fazenda no interior de São Paulo, o filme acompanha a investigação do historiador Sidney Aguilar e a descoberta de um fato assustador: durante os anos 1930, cinquenta meninos negros foram levados de um orfanato no Rio de Janeiro para a fazenda onde os tijolos foram encontrados. Lá, passaram a ser identificados por números e foram submetidos ao trabalho escravo por uma família que fazia parte da elite política e econômica do país, e que não escondia sua simpatia pelo ideário nazista. Dois sobreviventes dessa tragédia brasileira, Aloízio Silva (o “menino 23”) e Argemiro Santos, assim como a família de José Alves de Almeida (o “Dois”), revelam suas histórias pela primeira vez.

Dirigido por

Belisario Franca

Produção

Giros

Coprodução

Globo Filmes e Globo News, Canal Brasil

Patrocínio

BNDES

Apoio Oficial

--

Categoria

Documentário

4,9 Avaliação
299 Sessões
9,98 K audiência
34 K aud.total
  • Online (YouTube, Vimeo, etc)
  • Sessões Públicas via VIDEOCAMP
  • Cinema
  • Sob Demanda (iTunes, Now, etc)
  • Outras mídias (DVD, Blu-ray, mídia kit, etc)

Críticas

“Assuntos difíceis dentro do audiovisual podem e devem ser explorados de forma mais profunda e estruturada para impactar as pessoas de forma que elas reflitam mais sobre o tema Leia mais: https://oglobo.globo.com/sociedade/educacao/educacao-360/documentario-leva-historia-do-brasil-para-sala-de-aula-19982091#ixzz53FP1dQAq stest ”

por Bruno Alfano ver matéria completa

“Belisario alcança um equilíbrio visual de alto conteúdo, bem distribuído entre reconstituição de época belissimamente realizada em preto e branco, depoimentos dos órfãos hoje idosos, entrevistas com especialistas, e imagens de arquivo...”

por Filippo Pitanga ver matéria completa

“O diretor também oferece ao público uma oportuna contextualização de época (em especial, dos anos 1920 e 1930), com foco na força do racismo e nas manifestações de nazismo dentro do país.”

por Daniel Schenker ver matéria completa
Leia mais

Extras

Vídeos

Menino 23 - Depoimento Sidney Aguilar Filho

Menino 23

Menino 23 - Depoimento Belisario Franca

Menino 23

Depoimento Da Tese ao documentário - Bianca Lenti

Menino 23

Ver todos os vídeos

Menino 23 - Depoimento Sidney Aguilar Filho

Menino 23

Menino 23 - Depoimento Belisario Franca

Menino 23

Depoimento Da Tese ao documentário - Bianca Lenti

Menino 23

Ver todos os vídeos

Comentários

Ficha completa

Menino 23 - Infâncias Perdidas no Brasil (2016)

Classificação etária: 10 anos

Descritores de conteúdo: Violência

É possível baixar o arquivo deste filme para sessões Videocamp. Organize sua sessão clicando aqui.

Dirigido por Belisario Franca

Produção Giros

Coprodução Globo Filmes e Globo News, Canal Brasil

Patrocínio BNDES

Apoio Oficial --

Categoria Documentário

Tema Direitos Humanos Educação Questões raciais

ODSs ODS 16 - Paz, Justiça e Instituições Eficazes, ODS 1 - Erradicação da Pobreza, ODS 10 - Redução de Desigualdades, ODS 8 - Trabalho Decente e Crescimento Econômico

Áudio e Legenda

Audio Portuguese BR

Legenda English

Closed Caption --

Audiodescrição --

Linguagem de Sinais --

Sinopse

A partir da descoberta de tijolos marcados com suásticas nazistas em uma fazenda no interior de São Paulo, o filme acompanha a investigação do historiador Sidney Aguilar e a descoberta de um fato assustador: durante os anos 1930, cinquenta meninos negros foram levados de um orfanato no Rio de Janeiro para a fazenda onde os tijolos foram encontrados. Lá, passaram a ser identificados por números e foram submetidos ao trabalho escravo por uma família que fazia parte da elite política e econômica do país, e que não escondia sua simpatia pelo ideário nazista. Dois sobreviventes dessa tragédia brasileira, Aloízio Silva (o “menino 23”) e Argemiro Santos, assim como a família de José Alves de Almeida (o “Dois”), revelam suas histórias pela primeira vez.